Saiba mais sobre o COVID-19, principais notícias, números, métodos de prevenção e muito mais. Clique aqui...

79 3044-9011
99973-8688 / 99192-4313
 
 
 WhatsApp
 Imprimir


Brasília
MACRON NÃO DESCARTA AMAZÔNIA SOB GERÊNCIA INTERNACIONAL E PROVOCA PLANALTO
26/08/2019 às 18:04 por Jailton Santana

 Francês deixou claro em diversas ocasiões que tal opção não era o caminho tomado neste momento e que a soberania de todos deveria ser respeitada no pacote de medidas adotadas. Mas disse que a questão da internacionalização deve ser colocada se um estado opta por tomar medidas que vão contra o interesse do planeta.   

GENEBRA – O presidente da França, Emmanuel Macron, voltou a provocar o governo brasileiro nesta segunda-feira ao citar, mesmo que teoricamente, a opção da internacionalização da gestão das florestas. Macron, que garantiu que tal opção não faz parte do pacote aprovado pelo G7, fez questão de assegurar que os países sul-americanos foram alvos de consultas nos últimos dias antes do anúncio da iniciativa. O pacote fechado no G7 prevê duas etapas de atuação. Num primeiro momento, US$ 20 milhões serão destinados para os incêndios. Já numa segunda etapa, um esforço internacional será costurado para permitir que medidas para o reflorestamento da Amazônia possa ocorrer. Nesta segunda fase, o debate ocorrerá na ONU e com a presença do governo brasileiro. Mas Macron completou a apresentação da iniciativa com uma provocação, deixando em aberto a questão sobre o status internacional da floresta caso um governo tome decisões contra os interesses do planeta. 

"Associações, ongs e atores, já há vários anos – por vezes alguns atores jurídicos internacionais – levantaram a questão para saber se podemos definir um status internacional da Amazônia", disse Macron nesta segunda-feira ao responder a uma pergunta de um jornalista em Biarritz. "Hoje, não é o caso da iniciativa que tomamos. Mas é uma questão que se coloca. Se um estado soberano toma, de forma clara, concreta, medidas que evidentemente se colocam em oposição ao interesse de todo o planeta. Há todo um trabalho jurídico, político a ser feito", apontou.

Fonte: UOL

MAIS NOTÍCIAS